AGE: Um Recreio para Todos

AGE: Um Recreio para Todos, para “grandes” e “pequenos”

A existência de um recreio conjunto, partilhado entre os meninos da infantil e os do 1.º ciclo, foi o grande tema em discussão na Assembleia Geral de Escola (AGE), realizada no dia 19 de fevereiro, que contou com a participação dos alunos, dos professores e das funcionárias.

Este tinha sido um dos assuntos levantados na primeira Assembleia Geral, realizada no 1.º período, cuja discussão tinha ficado adiada, uma vez que necessitava de um tempo para debate, destinado a discutir as regras que garantissem as melhores condições de convivência de “pequenos” e “grandes” no mesmo espaço.
Os adultos da escola debateram esta questão em equipa, em reunião do conselho de docentes e em reunião com as auxiliares, no sentido de criar as condições para que esta proposta dos alunos pudesse ser concretizada. Foi abordada a necessidade de acautelar a segurança das crianças, nomeadamente dos mais pequenos, bem como a gestão das funcionárias, tendo ficado decidido que também haveria circulação das auxiliares da infantil e da primária pelos dois espaços.
No dia da Assembleia Geral, os alunos de todas as idades estavam muito atentos à discussão de um assunto que dizia respeito a todos e que resultava de uma vontade comum claramente expressa perante o coletivo. Desde os mais novos aos alunos mais velhos da escola, os meninos tiveram oportunidade de usar da palavra para expor as suas sugestões e refletir sobre as propostas apresentadas pelos colegas.

Dias de recreio conjunto
A primeira questão teve a ver com a generalização dos recreios conjuntos, tendo-se achado que era mais sensato ter um período experimental de dois recreios por semana para avaliar como corriam os mesmos e proceder a ajustes nas regras, antes de um eventual alargamento desta forma de funcionamento.
Assim, quais seriam os dois melhores dias para dar início aos recreios conjuntos? Avançou-se com as terças e quintas, mas quando se abordou a questão do campo de jogos, verificou-se que a quinta-feira estava atribuída a uma determinada turma do 1.º ciclo, sendo preferível optar pelo dia em que o campo era de todos, ou seja, a sexta-feira.

A gestão dos baloiços
A segunda questão levantada prendeu-se com as regras de utilização dos baloiços da infantil e do 1.º ciclo, tendo sido avançadas as seguintes propostas:
• Os alunos poderem utilizar livremente os dois baloiços;
• Os alunos da infantil poderem utilizar os baloiços do 1.º ciclo, mas os do 1.º ciclo não poderem utilizar os da infantil, por serem demasiado pesados para a estrutura dos baloiços;
• Os baloiços poderem ser ambos utilizados por um menino da infantil e outro da primária, de modo a promover a convivência na utilização dos equipamentos e a não sobrecarregar demasiado a estrutura dos baloiços da infantil.
Esta última proposta reuniu o consenso da maior dos participantes da Assembleia, mas ficou de se avaliar previamente a segurança do equipamento da infantil, tendo em conta o peso dos eventuais utilizadores. Antes disso, a gestão dos baloiços não é alterada.

Segurança no campo de jogos
Outra das questões levantadas foi a gestão da ocupação do campo de jogos do recreio do 1.º ciclo. Os alunos mais velhos demonstraram preocupação com a segurança dos mais pequenos, colocando a questão de terem receio de os magoar, sem querer, se eles passassem, inadvertidamente, no campo de jogos.
Falou-se no cuidado que os mais crescidos deveriam ter com os mais novos, às terças-feiras, e propôs-se que às sextas-feiras, o dia de todos, o campo de jogos fosse atribuído à infantil no recreio do almoço.

Outros assuntos
Ainda se começou a abordar o assunto das andas, mas devido ao adiantado da hora, ficou decidido que esta questão seria mais aprofundada na próxima Assembleia. Avançou-se que as andas deveriam ser passadas a outro colega, depois de se contar até 200, e que poderiam se adquiridos novos pares de andas, nomeadamente destinados aos mais pequenos.
Nesta Assembleia, dirigida por dois alunos do 4.º ano, o Gustavo e a Patrícia, duas professoras, Leonor Braga e Daniela Branco, e uma auxiliar, Marisa Marcelino, não houve tempo para terminar o assunto das andas, tendo ficado adiado para a próxima reunião, na qual se voltará certamente a debater a questão dos recreios conjuntos, certamente com um maior conhecimento de causa.
Ainda houve tempo para que uma criança constatasse: “Mas hoje é terça-feira!”. Logo outra perguntou: “Então os recreios conjuntos começam já hoje, não é?”. A resposta do coletivo foi que sim, que os recreios conjuntos começavam nesse próprio dia, 19 de fevereiro. À hora do almoço, o tempo não avançava e a impaciência crescia: “Quando é uma e meia?”.
Quando as auxiliares disseram as tão aguardadas palavras “Está na hora!”, foi ver pequenos e grandes a circular entre os dois espaços. Pouco tempo depois, os grandes jogavam no campo de jogos com uma multidão de pequenos a assistir. “Já temos adeptos!”, exclamaram os mais velhos. Quem sabe se um dia, nos próximos tempos, os mais velhos não irão ensinar aos mais novos as regras dos jogos? Faz parte da condição de ser pessoa querer sempre ir um pouco mais longe…

Para saber mais: AQUI

 

Experimentar para conhecer

As Oficinas, que se realizam uma tarde por semana, às terças-feiras, são uma das atividades preferidas das crianças do 1.º ciclo do Jardim Infantil Pestalozzi. Nessa tarde, que é uma tarde com uma dinâmica especial, os alunos inscrevem-se, de forma rotativa, para participarem em oficinas monitorizadas pelos diferentes professores. Em cada Oficina participam crianças de diferentes idades, ou seja, formam-se grupos com participantes das várias turmas.

Nas oficinas, os alunos têm oportunidade de ter experiências de fruição e de aprendizagem diversificadas e de trabalhar de forma mais próxima com os restantes professores da escola, enquanto os professores também têm a possibilidade de estreitar laços com todos os alunos, reforçando o sentido de pertença de todos a um projeto comum, que é a nossa escola.

Estas oficinas decorrem nos diversos espaços da escola e englobam alunos dos diferentes anos de escolaridade do 1.º ciclo, permitindo reforçar o trabalho cooperativo e promover a solidariedade entre crianças de diferentes idades. Apenas as oficinas Aprender a Descobrir e Expressão Plástica são destinadas a alunos dos 3.º e 4.º anos: a primeira, porque pressupõe fluência na leitura; a segunda, porque os anos iniciais têm essa oferta no currículo semanal.

Existem oficinas de cariz artístico, nas quais a fruição de experiências estéticas é essencial, cruzando diferentes componentes dos currículos das diferentes expressões artísticas. Nestas oficinas, é valorizada a livre expressão e a criatividade, a experimentação e a descoberta, a estimulação dos sentidos e a sociabilização.

Noutras oficinas, os desafios implicam a mobilização do saber de diversas áreas disciplinares, de forma integrada, abrangente, reflexiva e interdisciplinar, de modo a construir novos conhecimentos, que mobilizam diferentes áreas do saber. Esta mobilização e articulação de saberes permite tomar consciência dos processos que estão na base da construção do conhecimento e desenvolver competências de nível superior (refletir, analisar, selecionar, criar, cooperar, ousar…), essenciais para lidar com os desafios do mundo atual.

As oficinas podem decorrer durante um ano letivo inteiro, ou ser alteradas trimestralmente, de acordo com a vontade dos professores e dos alunos.
No segundo período, as oficinas são as seguintes:

  • Culinária – Professora Joana Peixoto;
  • Ritmos e Batucada – Professor Nuno Ribeiro;
  • Expressão Plástica – Professora Alexandra Baudouin;
  • Construções – Professora Cristina Freire;
  • Modelagem – Professor David Louro;
  • Leitura e Filosofia – Professora Leonor Braga;
  • Aprender a Descobrir – Professora Daniela Branco;
  • Hora do Conto – Professora Elsa de Barros.

 

20171031 092559 20171031 094523 

20171031 095545 20180201 162500

Dia do Pestalozzi (12/01/2019)

O Dia do Pestalozzi é sempre um pretexto para saber quem foi a figura escolhida para patrono da nossa Escola e para evocar Lucinda Atalaya, a fundadora do Jardim Infantil Pestalozzi.
Neste ano, esta comemoração, que decorreu no dia 11 de janeiro, teve início com uma improvisação musical que contou com a colaboração de “Pais Musicais” e a organização dos professores Nuno Ribeiro e Sérgio Pinhão. Guitarras, violino, contrabaixo, piano, percussão, ukelele e coro deram voz às canções Loja do Mestre André (popular), Yellow Submarine (Beatles) e Casinha Amarela (um original de Nanan, Casa da Floresta, adaptado pelo professor Nuno Ribeiro com ideias da sua turma). As crianças formaram um grande e animado coro que culminou entusiasticamente com a participação de todos na interpretação da terceira canção, que representa o Hino da Escola.
A reinterpretação do livro escrito por Lucinda Atalaya «Ler, ouvir e cantar» serviu de mote para as atuações da maior parte dos grupos de alunos: os 1.º e 3.º anos juntaram-se para apresentar os poemas "D. Bolacha" e "Amor e Amora"; o grupo dos 5 anos protagonizou "O gato e o cato"; e o 4.º ano recreou jograis a partir dos poemas do livro. Quanto ao 2.º ano, elaborou uma poesia, que deu a conhecer nesse dia.
Da parte da tarde, as crianças visionaram o filme Dia do Pestalozzi 2014, realizado pelo educador Fernando Afonso, que aborda a história da Escola, reflete os ideais pedagógicos e apresenta as figuras que estiveram associadas ao desenvolvimento deste projeto. A festa culminou com os parabéns ao Pestalozzi e a partilha de bolos comemorativos deste evento.
Ao longo deste dia, sucederam-se momentos significativos de convívio, alegria, partilha e emoção, relevantes para evocar o passado, viver o presente e reforçar a identidade essencial para projetar o futuro, numa ponte sólida, criativa e reflexiva que vai do ontem para o amanhã.

AGE: regras do recreio

Assembleia Geral de Escola para discutir as regras do recreio

Os alunos do JIP, desde os meninos dos três anos aos do 4.º ano, os professores e as funcionárias reuniram-se para discutirem um assunto que diz respeito a todos: as regras do recreio da escola.

A Assembleia Geral de Escola para discutir e melhorar as regras do recreio realizou-se nos dias 12 e 18 de outubro de 2018. Colocaram-se cadeiras e bancos no ginásio para os alunos se sentarem: os mais crescidos atrás e os mais pequenos à frente. A presidir à mesa da Assembleia, estavam duas alunas do 4.º ano, a Margarida e a Matilde, um educador, o Fernando Afonso, um professor, o David Louro, e uma funcionária, a Sónia Campos.

A professora Margarida Belchior imprimiu as anteriores regras do recreio em letragrande e afixou os cartazes na parede do ginásio, para que as alunas do 4.º ano lessem cada uma das regras em vigor para se discutir se havia concordância com cada uma delas  ou se havia algumas que tinham de ser discutidas para serem melhoradas.

À medida que se debatiam e aperfeiçoavam as regras, a professora Margarida ia registando as alterações, com marcadores grossos, nos cartazes afixados. A discussão foi tão participada que, no primeiro dia agendado, não houve tempo para falar sobre todas as regras e a Assembleia teve de continuar na semana seguinte.

As regras mais discutidas para serem melhoradas foram as seguintes:

 

Regra antiga

Questão

Proposta

Regra nova

Quando o baloiço está ocupado, devemos contar até 100 em voz alta para quem está há mais tempo.

- Colocada por uma criança mais nova: “Então e quem ainda não sabe contar até 100?”.

- Colocada por outro aluno: “Há colegas que, assim que saem do baloiço, começam logo a contar e não dão tempo para os outros andarem”.

Respondida por uma criança mais velha: “Pode contar 10 vezes até 10”.

- Respondida por outro colega: “Dar duas voltas ao recreio, antes de começar a contar”.

- Quando o baloiço está ocupado, devemos contar até 100 (ou 10 vezes até 10) em voz alta para quem está há mais tempo.

- Dar duas voltas ao recreio, antes de começar a contar para andar de baloiço outra vez.

Passar com distância de segurança dos baloiços.

Falou-se no perigo de passar perto do baloiço quando um colega está a andar.

Propôs-se pintar uma maraca amarela à volta do baloiço, à semelhança do que acontece na infantil.

- Respeitar a marca amarela de segurança do baloiço.

 

Falou-se nos riscos de andar no escorrega de cabeça para baixo.

Propôs-se andar sempre de cabeça para cima.

- Andar no escorrega sentado ou deitado, mas sempre de cabeça para cima.

Pedir autorização para usar os materiais do recreio.

Questão levantada: “E quando os materiais não estão a ser utilizados por ninguém?”

Deve especificar-se melhor a regra.

- Pedir autorização para usar os materiais do recreio, quando estão a ser usados por outros meninos.

Cada menino pode brincar com um pneu. Caso se juntem mais meninos, o limite é de três pneus.

A questão colocada teve a ver com os momentos em que não há mais meninos  a quererem brincar com pneus.

Quando não há mais meninos a quererem brincar, pode brincar-se com mais pneus. No entanto, se for para fazer torres, não se pode fazer com mais de três pneus porque pode ser perigoso. A auxiliar Isabel explicou porquê.

- Cada menino pode brincar com um pneu, quando não há mais meninos a quererem brincar.

- As torres de pneus têm um limite de três pneus.

Respeitar o dia de futebol de cada turma. Nos intervalos joga-se primeiro basquete e de pois futebol. Podem acordar entre todos jogar ao mata.

Abordou-se a hipótese de cada turma poder decidir os jogos que queria jogar no seu dia. Falou-se nas turmas em que havia mais rapazes, que queriam sempre jogar futebol, pelo que não poderia ser sempre utilizado o critério da maioria. Teria de haver consensos.

Cada turma vai decidir como gerir esta situação, podendo haver uma regra específica de acordo com essa opção.

- Respeitar o dia de utilização do campo de jogos de cada turma.

- Cada turma combina quais os jogos que vai fazer no seu dia.

Passar pelo campo de jogos sem interromper.

Havia alunos que achavam que não se devia interromper os jogos, mas a passagem para a casa-de-banho faz-se pelo campo de jogos.

Tem de se respeitar quem está a jogar, mas também de ter em atenção quem está a passar.

- Passar pelo campo de jogos com muito cuidado e sem interromper.

- Quem está a jogar tem de ter em atenção quem vai a passar.

No final da Assembleia Geral de Escola, falou-se na importância de haver momentos de discussão conjunta de temas do interesse comum e ficou combinado fazerem-se mais assembleias ao longo do ano, pelo menos uma por período.